Tesouro nazista está desaparecido

13 de set de 2010 1 comentários

Era fim de abril de 1945 quando Adolf Hitler, vendo Berlim cercada pelas tropas soviéticas, se matou com um tiro na têmpora direita. Antes disso, separou o que existia de mais valioso para ele e guardou numa caixa, encontrada em um prédio nazista por um militar americano tempos depois. A caixa guardava seus pertences mais valiosos: um anel com a suástica nazista de rubis, duas pistolas de ouro, antigas moedas alemãs de ouro e prata, um prato decorativo, uma condecoração, alguns diamantes, uma bandeira com o símbolo nazista, um livro com capa de couro, um relógio de ouro, talheres de prata com as iniciais AH e duas imagens de seus grandes amores, a mãe e a cadela Blondi. Parte desse tesouro de Hitler foi vendido pelo militar para um milionário americano (a outra parte acabou sendo dividida entre os próprios soldados). Ray Bily, dono de indústrias de queijo, manteve os pertences por muitos anos no cofre de um banco de Nevada, de onde os tirou apenas para revelar sua história. Só que Ray morreu em 1994. E nunca disse a ninguém o que fez com os pertences de Hitler.

1 comentários:

  • Subserviente, jamais! disse...

    Infelizmente na vida há quem disponha da inteligência para o bem humano! Mas, o que mais há é o uso da sapiência para destruição? Como substantivos são apenas nomear seres. Poderíamos nomear Hittler de que forma? Para que serve uma inteligência sem servir ao bem supremo? A felicidade humana! O que há de mais semelhante entre os humanos são suas diferenças!
    Não podemos nos guiar por homens assim! Mas, teremos exemplos mil, de mentes brilhantes ao benefício da humanidade! Desejemos elas! O bem de um não pode ser a morte do outro!