A tomada do poder nazista na Alemanha

4 de nov de 2009 0 comentários
Hitler conduz a Alemanha ao Nacional Socialismo


Os nazistas jamais ganharam uma maioria eleitoral por conta própria, mas Hitler foi indicado Chanceler de uma coalizão governamental pelo Presidente Paul von Hindenburg em janeiro de 1933. Seus parceiros na coalizão foram os Nacionalistas de direita, liderados por Alfred Hugenberg, o "barão da imprensa", e seu vice-chanceler foi o ex-líder do Partido Central Católico e antigo chanceler Franz von Papen.

Em 27 de fevereiro de 1933; o edifício do parlamento, o Reichstag, sofre um incêndio. Este incêndio foi rapidamente atribuído aos comunistas, e usado como desculpa pelos nazistas para fechar os escritórios do partido comunista alemão, banir sua imprensa e encarcerar seus líderes. Além disso, Hitler convenceu o Presidente von Hindenburg a assinar o "Decreto de incêndio do Reichstag", abolindo grande parte dos direitos da constituição de 1919 da República de Weimar. Um outro decreto permitiu a detenção preventiva de todos os deputados comunistas, entre diversos outros membros do mundo político alemão.

Parada nazista em Leipzg


O principal meio através do qual Hitler se tornou ditador da Alemanha foi o ato Ermächtigungsgesetz (Ato de Habilitação ao Poder), que dava ao chanceler o poder de decretar o estado de emergência e de suspender as restrições legislativas ao seu poder como chefe do Executivo alemão. Para passar esse ato, Hitler organizou uma eleição para o Reichstag em março de 1933, com o intuito de formar uma maioria para adotar esse único ato, que colocava o poder inteiramente nas mão do Chanceler.

Os nazistas obtiveram 43,9%; junto com os seus aliados nacionalistas de direita (DNVP), eles controlaram uma coalizão de maioria parlamentar de 51.8%. No entanto, para dar legitimidade ao Ato de Habilitação ao Poder, Hitler precisava fazer passar uma mudança constitucional. Von Papen, com o líder do Partido Centrista Católico Monsenhor Ludwig Kaas, elaborou um acordo entre o Papa Pio XI e o Cardeal Pacelli (o futuro Papa Pio XII). Em retribuição a esse acordo, o partido Central deu o apoio parlamentar necessário para passar o ato, e uma maioria constitucional de dois terços foi obtida. Os 31 votos do Partido Centrista, adicionados aos votos dos partidos burgueses de classe média e dos Nacionalistas de direita, deram a Hitler o direito de governar por conta própria e de abolir diversos direitos civis.

Em cinco cláusulas, o Ato de Habilitação ao Poder deu ao governo o direito de mudar a constituição e de aprovar leis sem a aprovação legislativa, ao Chanceler o direito de revisar a legislação, ao Gabinete o direito de passar acordos internacionais e uma renovação do decreto a cada 4 anos, dependente da continuação do governo. O único partido de esquerda restante no Reichstag, o Partido Social-Democrata da Alemanha, valentemente protestou contra a aprovação do ato. Quando o Reichstag se reuniu na Ópera Kroll, patrulhado pela milícia marrom SA, o Ato de Habilitação ao Poder foi aprovado e, como punição pela dissensão, os Social-Democratas tornaram-se o segundo partido abolido pelos nazistas (em 22 de junho), após a mudança da sua direção para Praga.

O Primeiro discurso de Hitler no Parlamento como Chanceler


Em 14 de julho de 1933, os nazistas proibiram a formação de qualquer novo partido, e a Alemanha se tornou um estado a partido único sob o NSDAP. Isso era parte do Gleichschaltung (sincronização). Hitler manteve o Reichstag como púlpito, com o Reichsrat (Conselho) controlado por nazistas, que rapidamente trataram de dissolver o Reichsrat como corpo legislativo. Os corpos legislativos dos estados alemães tiveram o mesmo destino, com o governo central alemão tomando conta de todos os poderes legislativos locais e do Estado.

Em uma declaração de 23 de março de 1933, Hitler afirma que as duas principais igrejas da Alemanha eram os "fatores mais importantes" na manutenção do bem-estar alemão. Dali em diante, o que fora até então um episcopado crítico passou a apoiar o regime nazista abertamente e, com o acordo entre Pio XI e o Cardeal Pacelli, finalmente forneceu-lhe aceitação e reconhecimento internacionais.

0 comentários: